quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O REI DO PAGODE -TIÃO CARREIRO E PARDINHO

De: Lourival dos Santos e Moacir dos Santos

D A7 D A7 D
Afirme o pé companheiro grampeia o nó da gravata
A7 D A7
Nós vamos canta o pagode que chegou na hora exata

Por ai tem uns caboclo quando canta me maltrata
G D7 G
Eu vou dar minha resposta que não é muito pacata
A7 D A7 D A7 D
Vou tratar meus inimigos do jeito que eles me tratam.

D A7 D A7 D
Tenho dó desse coitado, eu deixo que ela se bata
A7 D A7
Com sua língua nos dentes com modas que desacatam

Na escada do sucesso ela subiu dando tapa
G D7 G
A queda foi dura, no tombo quase se mata,
A7 D A7 D A7 D
Não acerta mais o passo, está jogado pras baratas.

D A7 D A7 D
A verdade é cristalina é igual água de cascata
A7 D A7
Essas modas de abater é uma coisa muito chata -

Não falar mal dos colegas é uma coisa mais sensata
G D7 G
Esses violeiro invejoso reclamam da sorte ingrata
A7 D A7 D A7 D
Nos escravos da inveja meu pagode é um chibata.

D A7 D A7 D
No lugar a onde eu canto o povo todo me acata
A7 D A7
Sou querido das morenas, das loirinhas e das mulatas -

Ganhei medalha de ouro, não contando as de prata
G D7 G
O brasil inteiro fala dos violeiros eu sou a nata
A7 D A7 D A7 D
Onde eu canto meu pagode, meu sucesso é na batata.

D A7 D A7 D
Sou um leão africano quando dá um grito na mata
A7 D A7
Os bichos pequenos correm igualzinho um vira lata -

No lugar que pisa um leão cachorro não põe a pata
G D7 G
Nossa coroa de rei quero ver quem arrebata
A7 D A7 D A7 D
Nosso laço de amizade é um nó que não desata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário